O Projeto Terra Nova propõe o desenvolvimento de uma camada de titânio envolta da Terra, como a camada de ozônio natural que a Terra ainda possui.

Como já sabemos, o planeta Terra possui uma camada de ozônio natural composta por gás ozônio, que é composta por aproximadamente quinze quilômetros de espessura e está localizada a cerca de dezoito quilômetros da superfície terrestre. É a camada de ozônio que faz com que nosso planeta tenha vida. Isto porque, a camada de ozônio impede que a água da Terra evapore e se perca no universo. Com isto, a água evapora, ocorre a formação de nuvens e a água retorna para a Terra em estado líquido ou sólido, ou seja, chuva ou gelo. Se não houvesse a camada de ozônio, a água não retornaria para a Terra e se perderia no universo.

A camada de ozônio também tem um papel fundamental no bloqueio dos raios ultravioleta (UV) do Sol, que podem causar câncer em humanos e problemas reprodutivos nos animais, além de controlar a temperatura.

A camada de ozônio da Terra vem sendo deteriorada pela poluição produzida pelo homem, principalmente pelos combustíveis fósseis (dióxido de carbono) e pelos óxidos nítricos e nitrosos que são expelidos pelos exaustores dos veículos.

Com base nisto, o cientista e pesquisador João Lippert desenvolveu o projeto de construir uma camada de ozônio artificial na Terra, produzida com placas de titânio. Neste caso, o planeta Terra será envolvido por uma camada de titânio, onde haverão comportas para entrada e saída de naves espaciais. Assim, mesmo se a camada de ozônio natural da Terra viesse a desaparecer completamente, a camada de titânio manteria a água no planeta Terra e ainda filtraria os raios solares, permitindo apenas que a luz solar penetrasse no planeta Terra. A camada de titânio será ainda uma proteção ao planeta Terra contra meteoros e asteroides, que por viriam a se chocar com a Terra.

© 2018 por PROJETO TERRA NOVA. Orgulhosamente criado com Wix.comm

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now